way2themes

Romantismo II – Características, autores e obras

Por: | 17:59 1 comentário

Inicialmente, romântico era tudo aquilo que se opunha ao clássico, quer dizer, os modelos da Antiguidade Clássica foram então substituídos pelos da Idade Média (nos últimos séculos); a arte é de caráter popular, que valoriza o folclórico e o nacional; o indivíduo passa a ser o centro das atenções, apelando para a imaginação e para os sentimentos, do que resulta uma interpretação subjetiva da realidade.
Quanto à forma, a literatura romântica se desvincula completamente dos padrões e normas estéticas do Classicismo. O verso livre, sem métrica e sem estrofação, e o verso branco, sem rima, caracterizam a poesia romântica, prevalecendo, assim, o “acento da inspiração”. Em relação ao conteúdo, os românticos cultivavam o Nacionalismo, que se manifestava na exaltação da natureza pátria, no retorno ao passado histórico e na criação do herói nacional (belos e valentes cavaleiros medievais, civilizados; no caso brasileiro, os índios). Da exaltação do passado histórico nasce o culto à Idade Média, que, além de representar glórias e tradições do passado, assume o papel de negar os valores da Antiguidade Clássica, como o paganismo. O romântico promove uma volta ao catolicismo medieval: “na gótica catedral, admirando a grandeza de Deus, o os prodígios do Cristianismo", como afirma Gonçalves de Magalhães.
A natureza também assume múltiplos significados: ora é uma extensão da pátria, ora é um refúgio à vida atribulada dos centros urbanos do século XIX, ora é um prolongamento do próprio poeta e de seu estado emocional.
Outra característica marcante do Romantismo, e verdadeiro “cartão de visitas” de todo o movimento, é o sentimentalismo, a supervalorização das emoções pessoais: é o mundo interior que conta, o subjetivismo. E à medida que esse aprofundamento em direção ao eu se intensifica, cultivando o individualismo e o pessoalismo, perde-se a consciência do todo, do coletivo, do social. A excessiva valorização do eu gera o egocentrismo, segundo o qual os poetas românticos se colocavam como centro do universo. Evidentemente, surge aí um choque entre a realidade objetiva e o mundo interior do poeta. A derrota inevitável do ego produz um estado de frustração e tédio. Seguem-se constantes e múltiplas fugas da realidade: o álcool, o ópio, as “casas de aluguel” (os prostíbulos), a saudade da infância, as constantes idealizações da sociedade, do amor, da mulher. O romântico, enfim, foge no tempo e no espaço – temos assim a evasão romântica. No entanto, essas fugas têm ida e volta, exceção feita à maior de todas as fugas românticas: a morte.
Já no final do Romantismo, notadamente na década de 1860, desenvolve-se uma literatura de caráter mais social, a partir das transformações econômicas, políticas e sociais que atingem toda a Europa (2ª Revolução Industrial, publicação do manifesto do Partido Comunista, movimentos populares). A literatura passa a refletir as grandes agitações, que em Portugal, explodem na famosa Questão Coimbrã; no Brasil, a luta abolicionista, a Guerra do Paraguai e o ideal republicano resultam na poesia social de Castro Alves. No fundo, era uma transição para o Realismo.

Principais escritores românticos brasileiros
Gonçalves Dias: principal poeta romântico e uns dos melhores da língua portuguesa, nacionalista, autor da famosa Canção do Exílio, da nem tão famosa, mas muito melhor I-Juca-Pirama e de muitos outros poemas.

Álvares de Azevedo: o maior romântico da Segunda Geração Romântica; autor de Lira dos Vinte Anos, Noite na Taverna e Macário.

Castro Alves:grande representante da Geração Condoreira, escreveu, principalmente, poesias abolicionistas como o Navio Negreiro.

Joaquim Manuel de Macedo, romancista urbano escreveu A Moreninha e também O Moço Loiro.

José de Alencar, principal romancista romântico. Romances urbanos: Lucíola; A Viuvinha; Cinco Minutos; Senhora. Romances regionalistas: O Gaúcho, O Sertanejo, O Tronco do Ipê. Romances históricos: A Guerra dos Mascates; As Minas de Prata. Romances indianistas: O Guarani, Iracema e o Ubirajara.

Manuel Antônio de Almeida: romancista urbano, precursor do Realismo. Obras: Memórias de um Sargento de Milícias.

Bernardo Guimarães: considerado fundador do regionalismo. Obras: A Escrava Isaura; "O Seminarista"

Franklin Távora: regionalista. Obra mais importante: O Cabeleira.

Visconde de Taunay: regionalista. Obra mais importante: Inocência.

Um comentário: Deixe o seu comentário