way2themes

Só lembramos que o banco pode estar molhado quando precisamos sentar nele.

Por: | 18:17 Deixe um comentário


Ou você nunca passou pela situação: chove, você precisa pegar o ônibus e vê lugares vazios, alegra-se pela oportunidade de sentar e... A cadeira está molhada! Você fica aborrecido, quem sabe perguntando-se porque as pessoas fazem isso, porque são tão distraídas que não fecham a janela antes de descer do ônibus. Que falta de educação ou displicência! É. Pergunta: Você lembra-se e quando se lembra, fecha a janela? Pois é, quando algo aparentemente não nos diz respeito ou não nos incomoda nem fazemos caso.
Tenho lido, ouvido e visto jornais, blogs; tenho acompanhado as rádios locais, converso com colunistas, blogueiros, comunicadores de várias tendências e lados e mesmo aqueles que são tidos pró-governo têm algo a reclamar, reivindicar e vez por outra o fazem. Eu não tenho por motivo pensar nos “formadores de opinião” (deixemos para os que gostam de repetidos bates e rebates), mas sim naqueles que se fazem de indiferentes: parte da população que precisa engajar-se no processo cidadão. Exercer a cidadania não é só possuir documentos, ter emprego, moradia ou coisa parecida. É mais, e mais mesmo.
Sabe aquela rua que precisa ser calçada, pavimentada, do vizinho? Um dia você vai precisar dela para caminhar, trafegar. Mas como? Só quando a necessidade vier. Sabe aquele banco de praça depredado, aquela calçada mal cuidada que você nunca utilizou? Esteja cansado ou com uma pesada sacola e precise descansar ou andar com segurança, aí, sim, você vai achar ruim. Sabe aquele gestor ou legislador que você ignora por não “estar nem aí” para ele? Vai lembrar-se dele quando tiver um direito negado, uma petição ignorada.
Sei quem alguns gostariam de ter as atitudes certas, de estarem mais atentos para as suas necessidades e às dos demais, mas nem sempre as têm em mente. Bom, façamos o seguinte: sempre que sentar no coletivo em dia de chuva, lembre-se de fechar as janelas antes de descer. Já é algum início. “Bem começado, metade terminado”.

0 comentários:

Postar um comentário