way2themes

Viver entre alternativas - o equilíbrio não é ser "isentão":

Por: | 20:40 Deixe um comentário
Escolhi escrever o texto (aqui estou eu com minhas assonâncias e aliterações, risos), é opção. Se não o fizesse, também seria, e a continuidade de raciocínio "obriga" a deixar mais claro o escrito, o quê quero com essa introdução. Fazendo leitura diária dos textos alheios e meus, realizando comparações e análises, constatar que a possibilidade de ora "soprar", ora "morder", sendo equilibrado, buscando a sensatez não só de raciocínio, mas também textual, é tarefa difícil quando o quê se expõe é posto em redes sociais, blogs, etc., e percebe-se que não se consegue mais ser penetrado, ultrapassado além da superfície interpretativa.

Para alguém conservador (não como uma religião, mas na proximidade de pensamento), defensor das liberdades individuais, crente não só de fé, mas também da ajuda a outras pessoas, leitor do divino e do secular, admirador das qualidades naturais e da vontade do Alto na salvação humana, etc, etc, etc, essas e outras afirmações impelem-me a ora ser agradável, ora ser mais duro: "A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um" (Colossenses 4:6); "...Pelas quais coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência; Nas quais, também, em outro tempo andastes, quando vivíeis nelas" (Colossenses 3:6-7). As Escrituras, em inúmeros trechos fazem da mesma forma. 

Jesus foi simpaticíssimo e acolhedor com os pequenos (não confunda (só) com pobres, mas qualquer pessoa desprezada), pecadores (dando-lhes a direção certa, não os deixando seguir no delito), foi duríssimo com os falsos religiosos e mesmo com investidos de algum poder; semelhantemente nunca permitiu alguém prosseguir sem escolhas, ainda que fossem não segui-lo -  Mateus 19:16-30, por exemplo.

Então, afirmar veementemente as dores do mundo provocadas por pessoas e organizações (estas contrárias ao segundo parágrafo) e ressaltar o benefício real, verdadeiro e sincero (gosto dessa trinca, é seguríssima a mim) de quem quer abrir os olhos e coração de tantos não me faz "bipolar", ou lhe faz "maluco do pedaço". Verdadeiramente tornam-nos desejosos de acertar.

Dessa forma, no momento em que vejo, percebo que "gostar" é reduzido, entendo, sim. É porque muita gente tem sido levada a pensar, agir assim, como acreditando que todos devam falar, escrever de forma igual, como lhe agrade ou que cedendo à cega doidice ideológica. Há pessoas as quais admiro que nem sempre me satisfazem com o quê escrevem, mas continuo lendo-as, pois destas conheço muito bem os propósitos.

0 comentários:

Postar um comentário