way2themes

Para o SLM na Política - o homem-sanduíche:

Por: | 10:54 Deixe um comentário
    É uma atividade comum das médias e grandes cidades. A função do homem-sanduíche é divulgar serviços, fazer propaganda, dar visibilidade a algo ou alguém, na rua. Quem expõe é pago pelo trabalho e não tem responsabilidade direta ao que exibe, a não ser exibir e ser remunerado por isso.
    Como a imagem esclarece, o ofício ultrapassou os meios físicos e está presente nos sites, blogs, mensagens por celular. Não há mais fronteiras ao conhecimento de produtos diversificados, serviços múltiplos, profissionais de quaisquer ramos e a comodidade da visualização em casa e ação acertada dos marqueteiros deu uma melhoria no que era restrito às avenidas.
    Locais como Facebook e Whatsapp estão fervilhando com os feitos de pleiteantes, aspirantes a cargo político ou já exercendo, 
e isso é mostrado em parte no exemplo dos homens-sanduíche fora das ruas. Das bondades, dos projetos, o que se planeja e supostamente já aconteceu. Da paternidade alheia ao justo tributo.  
    O ruim é quando a pessoa que se presta ao expediente não medita no que coloca (é certo que pensando bem antes de por) ou não pensa quando há o contraditório, pessoa discordante, se há ou não razão nessa contra-argumentação. Daí, replicar de pronto, intempestivamente, deixa explícito o que vem abaixo.
    Já expressei de outras maneiras e reforço: entre opinião própria e opinião certa, prefiro a segunda. O exercício debalde em manter um ponto de vista equivocado e sem anterior ponderação, caso não seja apenas "por contrato", será compreendido como alguém cuja troca de pensamentos inexiste. É só um ser "automatizado", assim como os poderosos computadores, que respondem sim ou não. 
    Deixo claro, a maneira usada para dar visibilidade não possui nada de ilegal em si, é claro, não fazendo propaganda eleitoral antecipada (no momento atual, junho de 17, é a presidente, senador, deputado federal e estadual que não se pode) tudo mais deve (mesmo) ser demonstrado.

Imagem: Adão Iturrusgarai

0 comentários:

Postar um comentário