way2themes

DECISÕES ANTI-ISRAEL NA UNESCO COMEÇAM A DESACELERAR

Por: | 4/13/2018 08:17:00 AM Deixe um comentário
Israel e os EUA estão programados para sair do órgão cultural e educacional da ONU no final do ano

A marcha da UNESCO de usurpar sites judaicos e bíblicos e torná-los “palestinos” desacelerou em sua reunião de diretoria executiva em Paris na quinta-feira, já que nenhuma nova condenação a Israel foi aprovada e apenas uma resolução de três pontos relativamente inofensiva sob a manchete “Palestina ocupada” foi aprovada.

A resolução inclui um anexo de uma página e meia que se refere às decisões anteriores da UNESCO sobre Israel e “Palestina”, e também a decisão de incluir essa agenda na 250ª sessão da UNESCO, a ser convocada em novembro próximo.
O anexo reafirma as decisões anteriores da UNESCO em relação a Jerusalém, mas acrescenta pouco que seja novo.

O movimento brando, acordado por um consenso depois de algumas semanas de negociações indiretas entre Israel e os palestinos, foi aplaudido pelo embaixador de Israel, Carmel Shama Hacohen.

Israel e os EUA estão programados para sair do órgão cultural e educacional da ONU no final do ano por causa de suas resoluções anteriores anti-Israel.

Shama Hacohen, no entanto, disse que Israel está muito satisfeito com o último resultado, e agradeceu a nova diretora-geral da organização, Audrey Azoulay – assim como a equipe americana da UNESCO – por seus esforços de intermediação.

“Este é um passo muito positivo. Não tenho certeza se Israel teria decidido deixar a organização se esses esforços e resoluções tivessem sido adotados nos últimos anos ”, disse Shama Hacohen.

Fontes diplomáticas disseram que, com a administração americana trabalhando em seu plano de paz e com o próximo movimento da embaixada dos EUA em Jerusalém, Israel preferiu um consenso negociado à resolução da UNESCO, em vez de enfrentar uma crise diplomática novamente sobre o assunto.

Shimon Samuels, do Centro Simon Wiesenthal, que acompanha de perto a ação da UNESCO em Israel, disse que ambos os campos podem considerar a decisão como uma vitória.
“Em vez de ter as formulações anti-israelenses no próprio corpo de resolução, essas declarações foram agrupadas em um anexo; uma espécie de caixa externa – disse Samuels. “Legalmente falando, pode-se debater se o anexo faz parte da resolução ou não. É uma forma de os dois lados apresentarem uma conquista. ”

Azoulay, que está procurando despolitizar a agência, disse ao Jerusalem Post que considera a resolução“ um começo ”.

Segundo Azoulay, as missões israelenses e palestinas à UNESCO “iniciaram a comunicação indiretamente, o que não era o caso antes. Esse diálogo é um sinal muito positivo ”. Ela expressou esperança de que essa resolução consensual possibilitaria mais diálogo entre os lados no futuro próximo. Ela também enfatizou que “Israel tem seu lugar aqui e muito para contribuir para a UNESCO”.

Shama Hacohen disse: “Esta resolução abriu uma porta. Nós sempre favorecemos o diálogo, e nunca nos afastamos de qualquer discussão, como outros fizeram. A Sra. Azoulay nos disse que pretende aproveitar essa atmosfera positiva para continuar o diálogo. Isso afetará a decisão de Israel de deixar a UNESCO? Isso é muito cedo para dizer. Precisamos ver o que acontece no Comitê do Patrimônio da UNESCO e depois na próxima reunião do conselho executivo. No momento, nossa decisão [de sair] está em vigor. Seja como for, acredito que a resolução de hoje beneficiará a imagem e capacidade de trabalho da UNESCO, e isso por si só é muito bom ”.

Samuels disse no mês passado numa conferência em Jerusalém que na próxima reunião do Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO, no Bahrein, em julho, os palestinos provavelmente buscarão a “propriedade cultural” das Cavernas de Qumran e dosManuscritos do Mar Morto.

Com informações de JPost e imagem de Intergovcomittee_unesco

Originalmente do https://ecoandoavozdosmartires.wordpress.com/2018/04/13/decisoes-anti-israel-na-unesco-comecam-a-desacelerar/

0 comentários:

Postar um comentário