way2themes

Generalidades Notícias, número 45:

Por: | 4/11/2018 07:30:00 AM Deixe um comentário
Mundo
Zuckerberg diz que Facebook colabora com a Justiça em investigação russa
O diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, declarou nesta terça-feira que a rede social trabalha com a equipe do procurador especial Robert Mueller para auxiliar nas investigações sobre a possível interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos Estados Unidos em 2016.

Questionado em audiência no Senado americano, Zuckerberg informou que vários funcionários da empresa foram entrevistados para as investigações, mas evitou dar detalhes para não quebrar a confidencialidade.

"De fato, não sei se houve requerimento legal para isso. Acho que pode ter tido, o que sei é que estamos trabalhando com eles", disse Zuckerberg, ao esclarecer que não foi entrevistado pessoalmente para a investigação.

Em março foi revelado que a empresa britânica Cambridge Analytica teve acesso em 2014 a dados coletados pelo Facebook e usou essa informação para construir um software destinado a deduzir as decisões dos usuários.

A Cambridge Analytica supostamente colaborou com a equipe do agora presidente, Donald Trump, durante a campanha para as eleições de 2016.

Em princípio, o Facebook calculou em 50 milhões o número de afetados, mas no início de abril admitiu que a Cambridge Analytica acessou no mundo todo os dados de 87 milhões de usuários, a maioria dos Estados Unidos.

A equipe do procurador Robert Mueller investiga de forma independente a possível ingerência russa nas eleições presidenciais americanas, assim como se houve ou não coordenação entre Moscou e a campanha de Trump para prejudicar a então candidata democrata, Hillary Clinton.


Rússia veta proposta dos EUA para investigar ataques químicos na Síria
A Rússia vetou nesta terça-feira, no Conselho de Segurança da ONU, uma proposta dos Estados Unidos para estabelecer uma nova investigação e atribuição de responsabilidades pelo uso de armas químicas na Síria.

A resolução americana, que também condenava o suposto ataque em Duma, no último fim de semana, recebeu o apoio de 12 países, a abstenção da China e os votos contrários de Rússia e Bolívia.

A Rússia, que impediu a adoção da iniciativa com o seu direito de veto, propôs hoje outras duas resoluções, a primeira para a criação de um mecanismo de investigação diferente, e a segunda para apoiar que especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) analisem o ocorrido em Duma.

Os Estados Unidos tinham exigido nesta segunda-feira uma resposta do Conselho de Segurança a esse incidente, pelo qual responsabiliza Damasco, e tinha advertido que, se a Rússia impedisse, estava disposto a atuar por conta própria.

O presidente americano, Donald Trump, prometeu responder "contundentemente" ao suposto ataque e disse que tomará uma decisão nas próximas horas sobre possíveis represálias, incluindo ações militares.

A Rússia, por sua parte, acusou hoje os EUA de quererem utilizar o veto da sua resolução como um "pretexto" para atacar o governo sírio.

"Para que necessitam do mecanismo quando já assinalaram o culpado?", se perguntou o embaixador russo na ONU, Vasyl Nebenzia, momentos antes da votação.

A expectativa é que a Rússia submeta ainda hoje à votação do Conselho os dois textos que propôs e que as potências ocidentais já disseram que não apoiam.

A resolução americana vetada pela Rússia buscava estabelecer um novo grupo de especialistas independentes capazes de apontar os responsáveis pelos ataques químicos registrados na Síria.

Um mecanismo desse tipo, conhecido com pela sigla inglesa de JIM, já existiu, até que em novembro passado a Rússia vetou sua continuidade.

Moscou tomou a decisão do veto depois que o JIM indicou o regime de Damasco como responsável de vários ataques químicos.


Brasil
Tentativa de fuga em massa deixa 20 mortos em prisão no Pará
Pelo menos 20 pessoas morreram, entre elas um agente penitenciário e 19 detentos, em uma tentativa de fuga frustrada nesta terça-feira em uma prisão na região metropolitana de Belém.

O incidente aconteceu na tarde de hoje no Centro de Recuperação Penitenciário do Pará III, quando um grupo de homens armados tentou invadir o centro carcerário para ajudar em uma fuga em massa promovida por vários presos, segundo a Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

Além do guarda, entre as vítimas estão presos que pretendiam fugir e alguns dos homens armados que atacaram o complexo penitenciário. Outros quatro agentes penitenciários ficaram feridos no confronto armado entre os guardas que protegiam o presídio, os indivíduos que o atacaram e alguns dos presos que tentavam fugir e que estavam armados.

Segundo as autoridades, os homens armados que tentaram apoiar a fuga utilizaram explosivos para derrubar o muro de um pátio no qual estavam os reclusos. Após a explosão houve uma intensa troca de tiros que só terminou com a chegada de reforços policiais.

Os agentes penitenciários apreenderam dois fuzis, três pistolas e dois revólveres que estavam juntos aos corpos.

O centro carcerário atacado é uma das unidades que fazem parte do Complexo Prisional de Santa Izabel, um dos municípios da região metropolitana de Belém.

Esta unidade conta com 659 reclusos apesar da capacidade para 432 e, além da elevada aglomeração, suas condições sanitárias são consideradas deficientes pelas organizações de defesa dos direitos humanos.

Ao final da tarde, a Secretaria de Segurança Pública carecia informações de quantos presos estão entre as vítimas e se alguns dos reclusos conseguiram fugir.


Francesa EDF vence leilão público para comercializar eletricidade no Brasil
A companhia francesa EDF anunciou que ganhou um leilão público para comercializar eletricidade procedente de uma usina de energia eólica no estado da Bahia, que estará pronto em 2021.

Em comunicado, a EDF afirmou que a central, cujo investimento não foi divulgado, começará a ser construída em 2019 no estado da Bahia, a 350 quilômetros ao noroeste de Salvador.

A usina gerará 114 megawatts, equivalente ao consumo anual elétrico de 290 mil lares.

"A futura instalação se beneficiará de novos contratos de compra de eletricidade durante 20 anos assinados com 17 distribuidores de eletricidade no Brasil", acrescentou a companhia.

A EDF lembrou que em apenas três anos de presença no Brasil já é uma das líderes desse mercado, onde conta com 700 megawatts em carteira, somando projetos solares e eólicos em operação e em construção.

A empresa francesa detalhou que neste ano finalizará a construção de um parque eólico para 117 megawatts, perto da sua instalação eólica de Ventos da Bahia, de 66 megawatts, em funcionamento desde o final de 2017.

Além disso, iniciará a construção "do maior complexo solar" de América Latina, Pirapora (Minas Gerais, sudeste do Brasil), que terá uma capacidade de 400 megawatts.

O grupo EDF tem seu grosso de negócio na energia nuclear, embora conte com uma carteira notável de projetos eólicos, especialmente na Europa, e expressou sua intenção de duplicar sua produção de renováveis antes de 2030.


Pernambuco

Funase abrirá seleção com 496 vagas para agentes socioeducativos
Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) vai abrir uma seleção pública simplificada com 496 vagas para agentes socioeducativos por tempo determinado na Região Metropolitana do Recife.

A Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) vai abrir uma seleção pública simplificada com 496 vagas para agentes socioeducativos. As vagas são por tempo determinado na Região Metropolitana do Recife.

O Aviso de Chamamento Público saiu na terça feira (10) no Diário Oficial do Estado para a contratação da empresa que ficará responsável pelo processo seletivo. A princípio, seriam 296 oportunidades para os agentes socioeducativos, mas foram ampliadas em mais 200 vagas para permitir uma composição mais abrangente do número de funcionários da Funase.

Ainda não foram divulgados pela Funase a data do concurso ou o valor referente aos salários.

Suspeito de matar arquiteta em Olinda usou pedra e três vasos
Reconstituição do crime foi feita pela perícia criminal na terça com a colaboração do suspeito, jardineiro da vítima desde 2014

O jardineiro Renato José da Silva, de 28 anos, suspeito de matar a arquiteta e fundadora do bloco carnavalesco ‘Eu Acho É Pouco’, Maria Alice dos Anjos, teria usado uma pedra de aproximadamente 400 gramas e três vasos para cometer o crime sozinho. A constatação foi feita pela perícia criminal na reconstituição do assassinato nesta terça-feira (10). A simulação, com a participação do suspeito, foi realizada para descartar a hipótese de outros envolvidos no crime.

Maria Alice dos Anjos foi encontrada morta na noite do dia 13 de março em sua residência, na Rua 13 de Maio, no Sítio Histórico de Olinda, com uma lesão na cabeça. A tese de latrocínio, roubo seguido de morte, foi confirmada durante as investigações. Ojardineiro da vítima, detido com mandado de prisãotemporária, confessou o crime no dia 24 de março.

De acordo coma perita criminal Wanja Santos, o suspeitocolaborou com a simulação e refez todas as cenas, acompanhado por dois advogados. "Nossa equipe de polícia científicareconstituiu todas as pedras que foram encontradas na área docrime, e concluímos que foram usados três vasos, um de concreto e dois de cerâmica, que chegavam a três quilos, e uma pedra de, aproximadamente, 400 gramas", disse. "Também descartamos a possibilidade de outra pessoa envolvida, ele fez tudo sozinho", acrescentou.

O laudo da perícia será entregue em até 10 dias à delegada Andréa Griz, responsável pelo caso. "A gente ainda não concluiu. Só com o laudo pericial definitivo é que vamos averiguar os questionamentos", afirmou a delegada. Até o dia 20 de abril, o inquérito será concluído e remetido ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE).

Crime
O jardineiro Renato José da Silva, de 28 anos, confessou à polícia que matou a arquiteta e artista plástica Maria Alice Soares dos Anjos, de 74 anos. De acordo com o criminoso, que é usuário de crack, ele trabalhava para a idosa desde 2014 e tinha acesso livre a casa da mulher. Ele havia percebido que Maria Alice já estava desconfiada de que ele cometia os delitos e, mesmo assim, quis entrar na casa para roubar dinheiro. No dia do crime, ele contou que a fundadora do Eu Acho é Pouco o flagrou pulando o muro da casa dela.

Segundo a delegada, após ser pego no flagra, o homem atraiu Maria Alice para perto dela. Ele se escondeu e surpreendeu a mulher com uma chave de pescoço. Ele alega que matou a patroa porque não queria que ela contasse aos amigos e família que ele era a pessoa que, realmente, cometia os delitos na cada de Maria Alice.

Segundo Andréa Griz, Renato tinha a cópia da chave de Maria Alice e chegou a usar o carro escondido. Em outras ocasião, ele entrou na casa dela e furtou cerveja, carne , botijão de gás e outros objetos.


Com EFE, Folhape

0 comentários:

Postar um comentário