way2themes

Generalidades Notícias, número 46:

Por: | 4/16/2018 07:54:00 AM Deixe um comentário
Internacional
Macron defende bombardeios e afirma que França não declarou guerra à Síria
O presidente da França, Emmanuel Macron, assegurou neste domingo que o bombardeio na madrugada de ontem sobre supostas instalações químicas na Síria não representa uma declaração de guerra ao regime do presidente Bashar al Assad, mas uma defesa do direito internacional e das resoluções da ONU.

Em entrevista de mais de duas horas e meia no horário de maior audiência da televisão francesa, Macron defendeu a legitimidade dos bombardeios seletivos e argumentou que a operação era "indispensável para recuperar a credibilidade da comunidade internacional".

A ofensiva pretendia "intervir de forma legítima no marco multilateral" e não fazer uma declaração de guerra à Síria, declarou Macron em entrevista à emissora "BFMTV", na qual diferenciou os bombardeios conjuntos com Estados Unidos e Reino Unido contra a Síria das campanhas bélicas na Líbia e no Iraque.

"Tivemos êxito no plano militar: todos os mísseis lançados atingiram seus alvos, as capacidades químicas do regime sírio foram destruídas e não houve nenhuma vítima colateral", disse Macron.

"Atuamos para que não se viole mais o direito internacional, assim como as resoluções da ONU", acrescentou, lembrando que em setembro de 2013 o Conselho de Segurança aprovou uma resolução que autorizava o uso da força em caso de uso de armas químicas na Síria.

Para o presidente francês, após o último ataque supostamente com cloro em Duma, no dia 7 de abril, "tínhamos chegado a um momento no qual o bombardeio era indispensável para poder devolver a credibilidade à palavra da comunidade internacional".

Em determinado momento da conversa marcada por uma forte tensão, Macron interpelou seus dois entrevistadores: "Vocês ouviram que declaramos guerra a Bashar al Assad? Não. Essa é a diferença a respeito do que se fez na Líbia ou no Iraque".

Para Macron, a ofensiva contra três supostas instalações químicas permitiu também aos países ocidentais "recuperar a credibilidade perante os russos", a quem culpou de serem "cúmplices" no fracasso da comunidade internacional em evitar o uso desse tipo de armamento na Síria.

"Os russos bloquearam constantemente as votações (no Conselho de Segurança). São cúmplices. Não utilizaram o cloro, mas construíram metodicamente a incapacidade da diplomacia internacional", criticou Macron.

Encerrada por enquanto a fase militar, o presidente francês ressaltou a importância de dar um novo impulso aos esforços diplomáticos para encontrar uma solução política negociada à guerra síria.

Segundo Macron, o único compromisso militar que a França tem na Síria é a luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico, que está por trás dos principais atentados que o país sofreu nos últimos anos.

Nesse sentido, afirmou orgulhoso ter convencido o presidente americano, Donald Trump, de manter sua presença militar na Síria, apesar de este ter anunciado sua intenção de retirar suas tropas.

Macron defendeu que o papel da França na crise síria é "poder falar com todo o mundo", razão pela qual disse que tentará convencer Rússia e Turquia a participar de conversas que alcancem uma solução política pactuada.

A entrevista de hoje representou a primeira aparição pública do presidente francês depois dos bombardeios, sua primeira ordem dessa envergadura no terreno militar desde que ganhou as eleições presidenciais há agora um ano.

O parlamento francês realizará amanhã um debate, em uma sessão sem votação, para abordar o bombardeio no qual participaram as forças armadas francesas.

Boa parte da oposição, desde a esquerda radical de Jean-Luc Mélenchon à extrema-direita de Marine Le Pen, passando pelo líder dos conservadores, Laurent Wauquiez, tem se manifestado publicamente contra a intervenção francesa e acusado Macron de atuar sob as ordens dos Estados Unidos.


Kim Jong-un recebe delegação chinesa, em nova mostra de aproximação
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, recebeu uma delegação chinesa que acompanha um elenco artístico de visita a Pyongyang, em um novo gesto de aproximação entre os dois países após anos de tensões, informou neste domingo a agência estatal "KCNA".

Kim se reuniu neste sábado com o diretor de relações internacionais do Partido Comunista da China (PCCh), Song Tao, e ambos trocaram seus pontos de vista em relação a "assuntos importantes de interesse mútuo a situação internacional", detalhou a "KCNA".

Song lidera uma delegação que chegou na sexta-feira a Pyongyang e que inclui um elenco artístico que participa do Festival da Primavera de Abril, um evento que faz parte das celebrações do Dia do Sol, lembrando o aniversário hoje do fundador do regime, Kim Il-sung (avô do atual líder máximo, Kim Jong-un).

Segundo detalhou a agência estatal, o líder norte-coreano expressou sua "satisfação" com o recente desenvolvimento das relações bilaterais entre os dois países.

Kim Jong-un visitou pela primeira vez a China em março passado, uma viagem secreta que reabriu os laços entre ambos os governos, que tinham ficado paralisados pelo desacordo de Pequim com o programa nuclear e balístico norte-coreano e o conseguinte apoio das sanções da ONU contra Pyongyang.



Brasil
Esquadrilha da Fumaça exibe seu espetáculo nos céus de Montevidéu
A Esquadrilha da Fumaça exibiu neste domingo nos céus de Montevidéu seu espetáculo aéreo com oito aviões de fabricação brasileira que deleitaram crianças, jovens e adultos.

O grupo brasileiro de exibições aéreas mostrou na capital uruguaia suas oito novas aeronaves Super Tucano A-29 com as quais durante uma hora rasgaram o céu com um vasto repertório de acrobacias.

"É um convite e um presente dado pela embaixada do Brasil e pelo governo à sociedade uruguaia apresentar a Esquadrilha da Fumaça, que tem mais de 65 anos realizando esta atividade aérea", disse à Agência Efe o major da Aviação uruguaia, Gerardo Tajes.

"Esta esquadrilha já fez mais de 100 demonstrações nas suas novas aeronaves A-29, que são de ataque e possuem 150 quilômetros por hora a mais de velocidade que seu modelo anterior para que as manobras acrobáticas sejam realizadas com muito mais energia potencial", explicou.

Uma das manobras mais elogiadas pelo público uruguaio foi quando os pilotos conseguiram escrever no céu a frase "Brasil e Uruguai", como símbolo de irmandade entre os países.


Maioria avalia que prisão de Lula foi justa, diz pesquisa Datafolha
Pesquisa Datafolha divulgada neste domingo pelo jornal Folha de S.Paulomostra que 54% dos entrevistados consideram que a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi justa. O petista começou a cumprir pena pelo caso do tríplex do Guarujá no sábado passado, na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR).

Outros 40% consideram que a prisão do petista foi injusta, enquanto 6% preferiram não opinar.

A pesquisa também perguntou se Lula vai disputar as eleições deste ano. O porcentual dos que dizem que não subiu de 43% para 62% entre janeiro e o último levantamento, realizado nesta semana.

A nova pesquisa foi feita entre quarta (11) e sexta-feira (13) com 4.194 pessoas de 227 municípios. A margem de erro é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no TSE sob número BR-08510/2018.

Os que responderam que Lula vai disputar ‘com certeza’ passou de 32% para 18% no mesmo período. Os que responderam ‘talvez’ caiu de 20% para 16%.

O PT mantém, por enquanto, o discurso de que registrará a candidatura de Lula, apesar da prisão. Caberá à Justiça Eleitoral deferir ou não o registro da candidatura do petista.



Pernambuco

Ex-jogador Éric Abidal visita o Hospital de Câncer
Abidal conheceu as áreas de tratamento da instituição de saúde e distribuiu presentes para pequenos pacientes com câncer

Na manhã deste domingo (15), uma ação do bem foi realizada pelo ex-jogador Éric Abidal, que visitou o Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP). O intuito foi conhecer as áreas da instituição e levar alegria às crianças que estão em tratamento contra o câncer. No último sábado (14), Abidal participou da partida do Barcelona Legends contra a Seleção Pernambucana.

A visita ao hospital se tornou ainda mais emocionante porque o ex-jogador, em 2011, foi diagnosticado com câncer no fígado. Depois do tratamento, Abidal voltou a jogar. “A visita foi um momento de dar alegria para os pacientes”, enfatizou o atleta, que desenvolve trabalhos sociais para pacientes com câncer através da Éric Abidal Foundation.

Na ala infantil, o ex-jogador distribuiu presentes para as crianças. Jamilli Soares, de nove anos, que se trata de um sarcoma, demonstrou felicidade. “Achei bem legal. A gente se movimenta com essas visitas e é bom porque nossa imunidade não baixa”, comentou a menina, que recebeu uma camisa autografada por Abidal, além de boné, pulseira e lápis.

De acordo com o superintendente geral do HCP, Hélio Fonsêca, a visita representou uma oportunidade para Abidal conhecer a instituição. "É uma satisfação receber o jogador, um exemplo de vida pelo que já vivenciou. É uma esperança para o Hospital de Câncer de Pernambuco”, destacou o superintendente geral.

Presidenciável Álvaro Dias vem a Pernambuco em pré-campanha

O senador Álvaro Dias, (Podemos) pré-candidato à Presidência da República, aporta em Pernambuco quinta (19) para participar do 17º Fórum Empresarial LIDE, no Sheraton Paiva. Vários líderes políticos e outros presidenciáveis, a exemplo do ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, também estarão no evento que congrega importante líderes políticos e empresariais para debater sobre economia, gestão empresarial e responsabilidade social.

Álvaro Dias esteve, em dezembro de 2017, em Pernambuco, quando participou de debate com o movimento Ética e Democracia, fez uma visita ao Morro da Conceição e um almoço com lideranças e políticos, organizado por Antônio Campos e o deputado Ricardo Teobaldo do Podemos. Novamente, Álvaro será ciceroneado pelo pré-candidato ao Senado Antônio Campos (Podemos).


Com EFE, Folhape e Veja.

0 comentários:

Postar um comentário